NA RETA FINAL DO ATO PELA CONSTITUINTE EM 10 DE MAIO

Comitê DP-CTTS também prepara

Encontro Nacional dia 11 de maio

 

Em 4 de abril reuniu-se, na sede nacional do PT em São Paulo, o Comitê Nacional do agrupamento Diálogo Petista-Constituinte Por Terra, Trabalho e Soberania (DP-CTTS).

Os resultados já foram informados em um Comunicado aos membros eleitos CTTS nas instancias do PT.

Junto foi enviada também uma versão panfleto da Convocatória do Ato de 10 de Maio pela Constituinte, e esta semana sai um cartaz. O Comunicado informa:

O Comitê Nacional, além de encaminhar uma contribuição escrita ao Encontro Nacional de Tática Eleitoral do PT, constatou, num breve exame da situação política, que todos os elementos de evolução da conjuntura confirmam o acerto da organização do Ato (novas adesões) (*),

que será seguido do Encontro do agrupamento. A própria sinalização do Supremo Tribunal Federal contra o financiamento empresarial das campanhas, mesmo extrapolando sua competência, sinaliza o grau de desgaste público do atual sistema de representação, que, na verdade, vai muito além do financiamento. A solução não virá da mal-chamada reforma política regressiva que a cúpula do PMDB quer votar no Congresso.

A solução só pode ser dar a palavra ao povo, através de uma Constituinte. Daí a importância do Plebiscito Popular da Constituinte para reforma política, em setembro, no qual nos engajamos, para ajudar a abrir caminho para as aspirações sociais e nacionais do povo brasileiro.

O Ato Nacional de 10 de maio será um importante fator de impulsão desta campanha (…) Pedimos aos companheiros que apoiam o Ato que façam sua divulgação na imprensa, blogs e sites das entidades e mandatos.”

 
Encontro Nacional

Uma outra atividade está prevista para aprofundar a discussão do agrupamento. Diz o Comunicado: “No dia seguinte, 11 de maio, se reunirá o Encontro do nosso agrupamento. A pauta, a dinâmica e o local (previsto das 9 às 17h) serão divulgados em 10 dias num folder próprio. Para o Encontro é necessário inscrever-se pagando uma taxa de R$ 10,00.

Pede-se aos companheiros que precisarem de alojamento de sábado 10 para domingo 11 que entrem em contato.”

Assim se se constrói um agrupamento no PT que, fiel às bandeiras fundadoras, se propõe a agir como o PT agia, a começar pela organização de atividades auto-sustentadas, onde a livre discussão define o que fazer.

O Encontro Nacional fará o balanço das reuniões na base, discutirá os problemas colocados, para decidir como prosseguir o combate, cada vez mais agrupando os petistas dispostos a manter em pé os compromissos com a classe trabalhadora que construiu e deu força ao nosso partido.

(*) a íntegra dos mais de 60 nomes de deputados, dirigentes da CUT e do PT, de movimentos populares e de juventude está publicada no panfleto e pode ser acessada no blog: http://constituinteporterratrabalhoesoberania.wordpress

 

Preparando as atividades e Organizando a luta

 

Prosseguem as reuniões do Diálogo Petista/Constituinte Por Terra, Trabalho e Soberania que organizam a participação nas atividades de 10 e 11 de maio em São Paulo, além de discutir iniciativas para as lutas trazidas à discussão.

Em Salvador (BA) e no bairro do Campo Limpo, zona sul da capital paulista, dois exemplos dessas reuniões.

Rica discussão e conclusões práticas

A reunião em Salvador, em 5 de abril, realizou uma verdadeira discussão e tirou conclusões práticas. Mais de 20 militantes, sindicalistas cutistas e dirigentes do PT de oito municípios, discutiram livremente diversas questões políticas como a luta pelo Piso e os problemas da educação, o direito de livre organização, as pautas dos trabalhadores e a campanha do Plebiscito pela Constituinte. Na abertura foi distribuída a convocatória do ato do dia 10 de maio, que precede o Encontro Nacional, em São Paulo.

FotoDP91

Joilda, diretora do Sindpec, destacou a importância da discussão da Constituinte no sindicato e informou que a diretoria aprovou enviar dois representantes ao ato dia 10.

Lourival, da direção nacional da CUT, enfatizou que as bandeiras da CUT foram impulsionadas pelo PT e que a Constituinte está na pauta da Contracs Nordeste com debates programados nos sindicatos. Lindomar, PT de São Domingos, afirmando ser preciso resgatar as bandeiras e o debate no partido, disse que decidiram levar o debate da Constituinte aos municípios vizinhos e que não poderiam fazer só campanha eleitoral sem o debate que defendemos como a Reforma Agrária, que saiu da pauta do governo. Edgard, coordenador do setorial de educação do PT-BA, registrou que os setoriais foram alijados do debate de programa de governo do PT e que as alianças não são discutidas no partido, destacando que para a educação é vital tratar dos recursos sugados pelo superávit primário.

Dadá, diretor do Sindpec, informa que o comitê de Rodelas e Glória será lançado em abril para impulsionar a campanha do plebiscito na região norte. Marize, professora da base do Sinpro, informou do debate do plebiscito na faculdade em que trabalha com o objetivo de formar um comitê.

Várias outras intervenções registram a formação de comitês do Plebiscito Popular pela Constituinte. Foi decidido, ao final, constituir um comitê sindical para ajudar a levar a campanha ao movimento operário. Foi discutida uma delegação às atividades de 10 e 11 de maio em São Paulo e a arrecadação para a compra de passagens.

“É preciso acabar com essa situação”

Quinze companheiros da Chapa “PT das Origens”, do Diretório Zonal de Campo Limpo, se reuniram em 24 de março para discutir, entre outras questões, a formação de um comitê com outras forças políticas que se disponham a estar junto na luta pelo Plebiscito Popular pela Constituinte.

A reunião foi aberta com a leitura do mandato dado pela plenária do DP/CTTS de novembro de 2013 para realizar o ato pela Constituinte, plenária da qual participaram duas delegadas do Campo Limpo.
 
Os presentes se comprometeram com a campanha do Plebiscito popular e com a discussão nas suas entidades. Como disse um dos companheiros presente, “a Constituinte pode ser um caminh
o a se abrir que possibilite que as reivindicações do povo oprimido, dos trabalhadores e da juventude, como moradia, transporte, saúde, educação e distribuição da terra sejam atendidas. Pode ser o momento de acabar com as instituições burguesas herdadas da ditadura que não representam o povo. É o caso do Congresso, cuja maioria é de empresários e latifundiários. Ganhamos as eleições e não governamos, o orçamento do país não é para o povo, e sim para as classes dominantes. É preciso acabar com esta situação”
. Todos os presentes assumiram a preparação e presença no Ato do dia 10 de maio

DP-91.