14067996_1066037753480200_5419742614995374960_o

DAP promoverá diálogo itinerante com petistas para discutir a crise

O ato nacional de lançamento do manifesto “Pela reconstrução do PT- chega de conciliação!”, do Diálogo e Ação Petista, realizado no dia 19 de agosto, na sede nacional do partido, reuniu mais de 100 militantes de 6 estados. O encontro foi transmitido on line aqui pelo blog do DAP. Em várias cidades, como Fortaleza, Recife e Volta Redonda, os grupos de base do DAP marcaram reuniões para assistir ao lançamento.

Foi aprovada por aclamação uma proposta de continuidade da atuação do DAP, que publicamos abaixo. O DAP promoverá reuniões com militantes petistas nos estados, um diálogo itinerante para discutir a conjuntura política, a situação do PT e as perspectivas de luta no próximo período.

Estas são as questões que o PT precisa debater, daí a necessidade do Encontro Nacional Extraordinário do partido, marcado para dezembro. Se depender do Diálogo e Ação Petista, o Encontro vai se realizar e cumprir plenamente sua função.


Ato de Lançamento
19 de agosto de 2016, Sede Nacional do PT

Pela reconstrução do PT!


Submetemos os seguintes pontos a um diálogo itinerante pelo país:

  • O  golpe do impeachment criou uma situação de emergência para o povo brasileiro.
  • Os petistas, muitos trabalhadores e amplos setores populares se perguntam: como chegamos a isso?
  • O golpe expôs as contradições dos 13 anos de governo que também contribuiu para levar a essa derrota.
  • O imperialismo, materializado nas instituições de dominação, no Brasil como no resto do mundo, aperta o cerco: hoje mesmo vemos na América Latina a ofensiva contra a Venezuela.
  • Nós reivindicamos as conquistas do povo no último período, de emprego e salário, os programas sociais e o novo marco regulatório do Pré-sal.
  • A política do PT no governo adaptou-se às instituições submetidas ao capital financeiro, à ditadura do superávit primário e à certas ‘alianças’ com inimigos – esta é a raiz da conciliação nestes 13 anos.
  • Agora, a solução está na retomada dos compromissos históricos no terreno da defesa do PT, atacado de todos os lados, ameaçado de “extinção” no TSE, inclusive com o companheiro Lula indiciado no STF.
  • A Constituinte era – e segue sendo – o meio de superar as instituições corruptas, inclusive o Judiciário, para avançarmos com reformas populares.
  • O Judiciário, não questionado desde a Ação Penal 470 (“mensalão”), se revelou instrumento chave do golpe.
  • É necessário rearmar o PT com uma plataforma de emergência, liberta das contradições destes 13 anos.
  • O PT devia tê-lo feito no Congresso (junho 2015), como propunha o Manifesto de 400 sindicalistas petistas da CUT
  • Fora Temer, Nenhum Direito a Menos, hoje, esta é a questão central.
  • Neste momento, a CUT discute um movimento de greve geral por Nenhum Direito a Menos. O PT deve se engajar nesse movimento.
  • O Fora Temer deve significar também a ruptura com as políticas dos governos federais de “acordo nacional com o PMDB”, para uma verdadeira plataforma popular
  • O Fora Temer na campanha eleitoral municipal, significa nenhum acordo com golpistas no 1o turno e no 2º turno.
  • Defendemos alianças com PCdoB e PSOL, além dos setores populares de partidos como PDT e PSB, e personalidades e lideranças anti-golpistas, com uma plataforma de medidas populares (transporte, saúde, educação, moradia, creches, servidores).
  • Reconstruir o PT, começa com o Fim do PED, modelo decalcado das instituições do sistema político corrupto, ao qual o PT se adaptou, e é fator de degeneração do partido.

Convocamos um circuito de Atos nos estados de lançamento e discussão do Manifesto pela Reconstrução do PT. Compareça!

A Mesa do ato: João Felício, dirigente da CUT, Misa Boito, membro do DR  PT-SP, Markus Sokol, dirigente do PT e Luiz Eduardo Greenhalgh, fundador do PT.

TituloManifesto

Ato de Lançamento do Manifesto pela Reconstrução do PT

Gravado ao vivo da Sede Nacional do PT, em São Paulo.

Mesa (da esquerda para a direita): João Felício (sindicalista da CUT e CSI), Misa Boito (coordenação), Marcus Sokol (Direção Nacional do PT e Coordenação Nacional do DAP) e Luiz Eduardo Greenhalgh (fundador do PT).



 

 

 

 

 

 

 

 

TituloManifesto

Assista ao lançamento nacional do Manifesto do Diálogo e Ação Petista

O lançamento nacional do Manifesto pela Reconstrução do PT, do Diálogo e Ação Petista, será transmitido ao vivo por este blog. Será nesta sexta-feira, começando às 19 horas.

O lançamento pretende ser um momento de reflexão, balanço da política seguida pelo partido nos últimos 13 anos e perspectivas de ação, num momento de extrema gravidade, onde os direitos e as organizações dos trabalhadores são atacados de todos os lados.

O ato de lançamento foi preparado por reuniões nos estados e nas principais cidades. Houve mais de 300 adesões ao Manifesto, nas reuniões ou pela internet, de militantes de diferentes posições políticas, mas que se unem em torno de um objetivo: trazer o PT de volta para os trabalhadores, com uma política de combate ao imperialismo e suas instituições, em defesa dos direitos sociais, das organizações operárias e populares e da soberania nacional.

Até setembro, é necessário que o Manifesto seja debatido em todas as instâncias e atividades do PT.

Estão confirmados para o lançamento oficial do Manifesto João Felício, ex-presidente da CUT; Luiz Eduardo Greenhalgh, fundador do PT; Sidnei Pita, coordenador da União Nacional por Moradia Popular; e Markus Sokol, do Diretório Nacional do PT.

Pela reconstrução do PT!

Veja o evento no Facebook

Pesquisa indica apoio massivo à Greve Geral

Pesquisa realizada na região do Quarteirão da Saúde nos dias 4 e 5 de agosto  no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

O Governo golpista de Michel Temer, juntamente com esse Congresso, cuja maioria é de corruptos, quer acabar com uma série de direitos e conquistas dos trabalhadores:

  1. Aumento da Idade Mínima para aposentadoria para 70 anos;
  2. Os direitos trabalhistas estarão ameaçados (13º salário, férias, licença maternidade, hora extra e etc.;
  3. Jornada de trabalho de até 80 horas semanais;
  4. Congelamento do Orçamento Público por 20 anos;
  5. Proposta de aumento para 30% na DRU;
  6. Ampliação das terceirizações;
  7. Fim dos aumentos reais do salário mínimo;
  8. Privatizações em geral;
  9. Entrega das riquezas do Pré-Sal.

NAO AO GOLPE

Entidades e movimentos que organizaram essa votação:
CUT – SINDSAUDE/SP – SINDICATO DOS PSICÓLOGOS, JULIANA-SIMESP, COMITÊ DA PAULISTA/QUARTEIRÃO CONTRA O GOLPE

Maia

Voto em Maia (DEM) enfraquece a luta contra o golpe e amplia a crise do PT

Indignou e revoltou os petistas, o grave erro cometido por deputados do PT no episódio da eleição do Presidente da Câmara.

Os golpistas, Temer e sua equipe, comemoram a vitória de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e têm razão para isso. Golpista de primeira hora, Maia é o homem certo para acelerar a votação de todos os projetos de lei na Câmara Federal que atacam direitos dos trabalhadores e a soberania nacional.

A candidatura de Maia teria sido costurada, segundo matérias da impressa, não desmentidas, diretamente por Carlos Sampaio (PSDB), deputado que pediu a extinção do PT, e Orlando Silva (PCdoB),este em discussão com Lula,a pretexto de isolar Eduardo Cunha.

Numa questão central no combate ao golpe, nenhuma instância partidária se reuniu para discutir e decidir a orientação da bancada nessa votação que definiu, inclusive, quem é o sucessor da presidência da República!

A bancada do PT, em 11 de julho, decidiu não embarcar na candidatura de Maia, pois não daria voto a nenhum candidato golpista. Mas, em 13 de julho, metade da bancada – de todas as grandes correntes do PT –  vota no golpista Maia! Já no primeiro turno a bancada se dividiu entre Marcelo Castro (PMDB), Luiza Erundina (PSOL) e Orlando Silva (PCdoB), uma candidatura lançada na undécima hora, com o objetivo de levar Maia ao segundo turno.

Fragmentada também no segundo turno, pois 25 deputados de todas as grandes correntes, corretamente, se retiraram do plenário, o fato é que metade da bancadacomprometeu o PT com a vitória dos golpistas Maia e Temer!

Grave erro que deve servir de reflexão, e reação, a todos os petistas. Como é possível?

No momento em que o partido se prepara para enfrentar as eleições municipais – para as quais a primeira condição é não apoiar golpistas; num momento que se inicia o processo de preparação de seu encontro extraordinário, em meio à luta contra o golpe, esse grave erro joga luz aos problemas que nosso partido está chamado a resolver para se reconstruir.

O Comitê Nacional do Diálogo e Ação Petista, sem fixar posição sobre as várias táticas parlamentares possíveis tem, não obstante, sobre esse episódio, uma posição clara: em nenhum caso o PT – ou qualquer deputado – deveria ter contribuído para eleger como presidente da Câmara um golpista que vai comandar a votação de projetos de retirada de direitos e ataques aos trabalhadores, contra o quê a CUT discute a preparação de uma greve geral.

Afonso Florence (DS), líder da bancada, justificou o voto em Maia, explicando que “Quem está fora do Congresso não pode também avaliar aspectos da luta parlamentar”!!!

Esse episódio agrava a crise de nosso partido, crise cuja raiz é a adaptação às instituições apodrecidas e que hoje patrocinam o golpe, e que leva a alianças e acordos com partidos cujos interesses são opostos aos compromissos do PT.

São Paulo, 15 de julho, 2016

Comitê Nacional Diálogo e Ação Petista

emasa-privatizar-no21

Moção de apoio a luta contra a privatização da Emasa – Empresa Municipal de Água e Saneamento de Itabuna-BA

A ________(inserir nome da entidade)____________  se dirige aos trabalhadores e trabalhadoras da Emasa de Itabuna-BA, através do SINDAE-CUT, para se solidarizar à luta contra a tentativa de privatização dessa empresa pública. Os trabalhadores/as da Emasa e integrantes do Comitê em Defesa da Vida e da Emasa ocupam a Câmara de Vereadores de Itabuna-BA desde o dia 13/06/2016 buscando barrar a votação irregular do anteprojeto de lei de concessão dos serviços de água e esgoto à iniciativa privada.

 A luta dos trabalhadores/as da Emasa é uma luta legítima e de toda a sociedade, pois a água é um direito humano e sinônimo de vida, não podendo ser privatizada!

Todo apoio às trabalhadoras e trabalhadores da Emasa!

Todo apoio ao Comitê em Defesa da Vida e da Emasa!


As moções podem ser enviadas para imprensa@sindae-ba.org.br com cópia para erickmaia13itb@gmail.com