Diálogo Petista 53

RETOMANDO E ABRINDO

A DISCUSSÃO

Após a realização do 4º ENDP, em 10 e 11 de dezembro de 2011, no último dia 2 de março – presentes Edmilson Menezes, Julio Turra, deputado Adriano Diogo e Markus Sokol, da Coordenação Nacional, além de Francisco Lemos (presidente do Sindicato dos Aeroportuários), convidado para discutir a concessão dos aeroportos – foi apresentado, por Markus Sokol, um informe esquemático abrindo a discussão na Coordenação. Para ajudar nas discussões nas reuniões regionais do DP, publicamos, abaixo, trechos desse informe.

PlenarioENDPdez2011

A questão de fundo é a pressão da crise mundial colocando todos os governos contra a parede e precipitando a resistência e mobilização popular, inclusive em outros países do continente (Bolívia, Argentina, Venezuela).

Não é inevitável que arraste o Brasil para o fundo, mas com a política atual é a crise que avança.

A bolha originada nos Bancos Centrais dos principais países – “tsunami monetário” – segue, e a desindustrialização avança. O governo fala apenas em “medidas”, quando se trata de fazer Outra Política de proteção da nação e defesa dos trabalhadores: centralizar o câmbio, acabar com o superávit primário, derrubar os juros e, daí, abrir para a reestatização, a reforma agrária etc.

Noutro nível, estão as questões vindas das organizações do movimento social, no plano parlamentar e governamental:

A Lei do Piso do Magistério, não aplicada pelos governadores e prefeitos, leva à greve nacional de 72 horas, de 14-16 de março: é importante engajar-se no apoio, defender a aplicação integral do Piso corrigido pelo Fundeb (que o MEC reconhece) e cobrar um mecanismo federal que garanta a sua aplicação;

– A Comissão Verdade, mesmo antes de instalada ela já é atacada pelos Clubes Militares; nesse sentido, tem um lugar a instalação da Comissão Verdade “Rubens Paiva” na Assembleia Legislativa de SP;

– O Plebiscito do Imposto Sindical, convocado pela CUT, retoma uma bandeira fundadora, reforçando sua autonomia e apontando para o problema de fundo não resolvido no país, as instituições herdadas que travam as aspirações populares;

O trabalho do Diálogo Petista, conforme o mandato do Encontro Nacional de dezembro, deve estender o agrupamento iniciado:

– Há resistência no PT nos principais centros onde questionaram a Candidatura Própria (BH, Rio…), ou tentaram “alianças” como o PSD em SP; a vaia à Kassab (simbolicamente Kátia Abreu, Colombo etc.) mostra que nada está “resolvido”. É preciso calçar essa resistência com reivindicações e bandeiras no programa dos prefeitos do PT e na plataforma dos vereadores, com questões como a Revogação das OS’s, Compromisso com o Piso, Moradia e regularização fundiária, Passe-livre à juventude etc.

OUTRA POLÍTICA: iniciar uma maior divulgação dos pontos que popularizam a outra política, através de uma série de artigos na Página Diálogo Petista, e depois publicar como brochura.

– A pífia “reforma política” foi abandonada sem balanço pelo diretório. Participaremos das eleições “estranhando”, no entanto, a instituição venal e corrupta, seja para não deixar o terreno para o falso moralismo “ficha limpa”, seja para fazer propaganda da necessidade de “outras instituições”.

– O Ciclo Debates com Olívio questionando a ausência de transformações e a adaptação do PT.

Haiti: a discussão é como o Diálogo Petista pode se engajar, no próximo trimestre, na preparação no Brasil da Jornada Pela Retirada das Tropas de 1º de Junho? Organizar Comitês amplos e unitários nos Estados.

– Retomar a campanha pela Revogação da Lei das OS’s


REUNIÕES REGIONAIS DO DP ADOTAM INICIATIVAS

DP – Cáceres (MT)

Em reunião do DP, realizada em Cáceres no dia 3 de março, oito militantes discutiram a participação do PT de Cáceres no governo municipal do DEM e as eleições municipais deste ano. Ao final, foi adotado um manifesto de militantes do partido sobre a tática eleitoral, a partir da luta pelas reivindicações, cujo centro é a defesa da candidatura própria do PT em Cáceres, portanto, de ruptura com o governo do DEM do qual o PT hoje faz parte.

O manifesto inicia “Nós, militantes do Partido dos Trabalhadores (PT) de Cáceres, defendemos o lançamento de candidatura própria do partido para a prefeitura da cidade, nas eleições de 2012”, e fundamenta: “Queremos lutar com os trabalhadores e o povo de Cáceres para resolver o grave problema da falta de água em muitos bairros da cidade, da sujeira urbana, do lixo, da educação, com a prefeitura assumindo plenamente as suas responsabilidades, como o pagamento do piso salarial nacional para os trabalhadores da educação e a luta em defesa da saúde pública de qualidade, contra a sua privatização pelas Organizações Sociais (OS’s), como acontece no Hospital Regional”, para concluir conclamando: “Chega de sermos coadjuvantes de partidos e candidatos que nada têm a ver com os interesses da maioria do povo da cidade. Queremos o PT como protagonista!”

Outros pontos da pauta (campanhas contras as OS’s, Haiti, CA de História e MST) foram remetidos para uma nova reunião do DP, no próximo dia 10 de março.

DP – Recife (PE)

Oito petistas, reunidos no dia 11 de março, discutiram as conclusões do 4º Encontro Nacional do Diálogo Petista, confrontando com a evolução da situação política, e tomaram as seguintes decisões:

1) Lançar um Manifesto “Por Outra Política” nos Encontros Setoriais do PT;

2) Formar uma comissão (Alexander Valença da direção da CUT-PE e Marta Almeida do MNU – Movimento Negro Unificado) para impulsionar um Comitê Estadual que realize atividades locais na Jornada Continental de 1º de junho pela Retirada das Tropas do Haiti;

3) Encarregar um membro da Coordenação do DP, para propor a alguns parlamentares, dirigentes e representantes de correntes do PT, se associarem ao DP na promoção do Debate com Olívio Dutra, no Recife, no dia 24 de abril.

Uma nova reunião foi proposta para primeira semana de abril, em data ainda a ser definida.

DP – Juiz de Fora (MG)

A reunião, no dia 1º de março, teve a presença de 20 petistas, entre eles os vereadores Betão (JF), Labernet (Santos Dumont) e Gilson (Simão Pereira), além da presidente do Sindicato dos Têxteis, do presidente do Sinpro/JF e de um representante do MNU. Foram discutidas as conclusões do 4º ENDP e foi adotada como principal ação imediata a retomada da campanha do Abaixo-Assinado pela Revogação da
Lei das OS’s e a proposta de construção de um Comitê Estadual, em discussão com a CUT, que aprovou essa campanha no sua última Plenária Estadual. Além disso, foi aberta a discussão sobre as eleições municipais e o apoio à luta para fazer valer a Lei do Piso Nacional do magistério.