Lula, a Bolsa e o salário mínimo

Julio Miraguaya

Ao escrever este artigo, ainda não havia sido concluído o julgamento do ex-presidente Lula no 4º TRF. Mas se algum leitor ainda não souber seu resultado, não precisa ir às páginas de política: basta conferir a abertura do pregão da Bolsa/SP. Se em forte elevação, Lula teve a condenação confirmada. A manchete de um jornal, “O mercado quer 3×0”, é a expressão da inaceitável captura da justiça pelo mercado, deixando claro que este não aceita Lula na disputa presidencial, pois ele seria ameaça à continuidade da agenda de reformas pró-mercado. Em entrevista ao mesmo jornal (sob a condição de anonimato), o presidente de um banco europeu, respondendo à pergunta sobre Bolsonaro, revelou que “qualquer coisa é melhor que Lula”.

mercado financeiro

Ora, o Brasil não é o mercado. Não pode o interesse econômico de um punhado de investidores bilionários substituir a vontade dos brasileiros. Mas o mercado já decidiu que o próximo presidente deve seguir com a agenda de reformas liberais de Temer/Meirelles/Maia, mantendo no porão a agenda social. Um exemplo cabal (e cruel) dessa opção foi a fixação do salário mínimo em R$ 954,00, reajustado em míse­ros 1,81%, o que sequer repõe o INPC (2,06%) ou o IPCA (2,94%).

Trata-se do menor reajuste do salário mínimo em 78 anos, desde sua institui­ção em 1940. Dezessete reais compram 1 kg de coxão duro ou ½ kg de queijo prato. Significa que os 50 milhões de brasileiros que recebem o salário míni­mo terão R$ 220,00 a mais em 2018. A título de comparação, a Oxfam divulgou que a fortuna de 43 bilionários brasilei­ros alcançou R$ 549 bilhões, aumento de R$ 65 bilhões sobre 2016, ou R$ 1,5 bilhão a mais para cada um.

No Brasil, cerca de 500 mil pessoas aplicam na Bolsa e no mercado de câmbio, ao passo que metade da população (100 milhões) vive com o salário mínimo. O mercado sabe que são esses que decidem uma eleição e lembra que no governo Lula o salário mínimo teve aumento real de 53,6%. Precisa dizer mais alguma coisa?

Artigo publicado em 25/01 pelo Jornal de Brasília.

Júlio Miragaya é conselheiro do Conselho Federal de Economia e membro da coordenação do Diálogo e Ação Petista no Distrito Federal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s