Lições da ocupação do PT pelos índios

 

Diálogo Petista – 76

André Machado, sindicalista e membro do Diálogo, esteve na sede estadual do PT do Paraná no último dia 4, para conversar com os índios caingangues que ocuparam o prédio do partido.

“Conversei com o cacique Cretã, liderança de uma comunidade de Mangueirinha, que me relatou a difícil situação dos índios em todo país.

 

FotoDP76-B

Somente no Paraná, cerca de 3 mil índios, em sua maioria crianças e jovens, estão acampados em estradas e sem direitos sociais básicos. Para ele, há um retrocesso nos últimos anos no processo de reconhecimento das terras
indígenas pelo governo federal, o que se tornou explosivo com o anúncio, pela ministra Gleisi Hoffmann, da suspensão de demarcações já realizadas, e com o enfraquecimento da FUNAI”.

Na conversa, ficou claro que para eles, a morte de um “irmão” terena no Mato Grosso do Sul, no último dia 30, em uma ação de reintegração de posse realizada pela Polícia Federal, foi uma consequência desse retrocesso, que novos conflitos ocorrerão “e muitos irão morrer”, porque os índios não aceitarão abdicar de suas terras.

Índios que votaram no PT…

Cretã disse que os índios votaram no PT. Disse ainda mais que a própria ministra Gleisi estivera em terras indígenas quando da sua campanha para o Senado, onde assumiu compromissos com eles. “Mas que até agora nada está sendo cumprido e por isso a ocupação da sede do partido em Curitiba”.

Talvez os índios devessem ter ocupado um prédio do governo, ao invés da sede do PT, pois o reconhecimento das terras indígenas é uma luta histórica do partido e a responsabilidade desta situação é do Palácio do Planalto. Mas a escolha pela sede do partido também é um grande sinal de alerta para os petistas, que veem um descolamento cada vez maior da cúpula partidária que está integrada ao governo, das lutas e bandeiras que deram origem ao PT, o que ameaça o próprio partido.

“Se o governo assumiu compromissos com grandes fazendeiros e não quer avançar na demarcação das áreas”, concluiu André, “a militância petista deve se manter ao lado dos índios para cobrar uma mudança nos rumos do governo”.