Diálogo Petista 35

3º ENDP

“O POVO TRABALHADOR EM PRIMEIRO LUGAR!”

“POR UM GOVERNO DO PT QUE ATENDA AS REIVINDICAÇÕES”

151 companheiros auto-financiados, de 14 Estados, garantiram o êxito deste 3º Encontro Nacional, no dia 2 de abril, na Câmara Municipal de SP. No anterior, em dezembro de 2009, vieram 105 petistas de 12 Estados.

“Um agrupamento de militantes de diversas origens e trajetórias dentro do partido que tem em comum”, auto-define o Diálogo, “a preocupação de manter vivos os princípios de independência de classe e de luta pela soberania que estiveram na base do surgimento do PT”. Neste Encontro, o Diálogo decidiu dar um passo mais, formando uma Coordenação Nacional de 9 membros.

Seu mandato está no Manifesto adotado.

FRUSTRAÇÃO NÃO É DESÂNIMO

Discutindo em pé-de-igualdade, petistas de várias correntes, mandatos e coletivos estão assim ajudando-se uns aos outros. Se há motivo de frustração após dois governos petistas não há razão para desânimo, disse um delegado, quando se sabe o que fazer – e juntos é mais fácil acertar o que!

Na mesa de encerramento, Markus Sokol explicou assim os motivos do êxito do Diálogo: “não viramos as costas ao PT, mas tampouco abaixamos as bandeiras.Passamos a nos agrupar de forma independente no terreno do PT, voltados não para a disputa interna –um jogo de cartas marcadas- mas nas iniciativas para a luta de classes. Ajudamos a campanha pela reestatização do petróleo, nas eleições batalhamos candidaturas próprias, articulamos pela revogação das OS’s e organizamos o giro do sindicalista haitiano. Assim lutamos pelo governo do PT que queremos, e assim progredimos”.

Falas

JOSÉ CANDIDO (deputado estadual PT-SP) – A democracia que fez o PT existir , nos dá esperança de que o futuro da nossa geração persiste. Tenho saudade do tempo em que militávamos contra a corrente para eleger nossos representantes. 1 milhão de reais para eleger? A prestação de contas paralela de alguns é muito maior , isso é gorjeta. Esse estrangulamento deixa alguns militantes desanimados. Nós que fundamos o PT temos que continuar batalhando no interior do PT . O PT está caminhando para o fisiologismo, é um desaforo deixar isso acontecer de braços cruzados. Graças a alguns rebeldes que não sabem dizer amém, o partido sobrevive em muitos lugares do país.

JULIO TURRA (Executiva CUT) – Estivemos na Conferência Aberta Contra a Guerra e a Exploração, em Argel, pouco antes da revolução na Tunísia, contra o desemprego de 44% dos jovens e o insuportável regime do partido filiado à Internacional Socialista. Outros países depois foram abalados, desestabilizando a dominação imperialista, especialmente o Egito que tem “tratado de paz” com Israel, estratégico para os EUA. Para recuperar terreno fizeram essa intervenção militar na Líbia que temos que repudiar: nem pedir armas para os rebeldes, como o PSTU – o imperialismo está dando armas para despedaçar o país – nem defender , como setores de esquerda, a ingerência “humanitária” que busca o petróleo e ameaça os países vizinhos.

OswaldoFrançaOSWALDO DE FRANÇA (Joinville–SC): Podemos estar frustrados, esperávamos certas coisas, mas não desanimados que é outra coisa, sabemos o que fazer . A prefeitura petista da cidade, por exemplo, está muito mal nas pesquisas, e mesmo entre os petistas do governo. Mas como vi a repercussão no PT da carta do Diálogo com propostas concretas, sou otimista pois afinal temos audiência na base.

ADRIANO DIOGO (deputado estadual PT-SP): Comecei a militar aos 13 anos de idade e nunca fiquei tão envergonhado com a putaria da política – até com o prefeito Kassab já querem coligar.

Me repugna a presença das tropas brasileiras no Haiti, é uma escola de mercenários internacionais, se formando e treinando para combater o povo, “inimigo interno”.

As greves nos canteiros de obras do PAC agora nos dão ânimo para a luta. Esses canteiros, onde cheguei a trabalhar na juventude, são verdadeiros campos de concentração de trabalhadores.

O PT tem que se assumir como um partido de esquerda, de orientação pró-socialista.


CAÇAPAVA (CUT-RS): Vejo que neste 3º Encontro o Diálogo aumentou bastante em número, é um sinal. De fato, vemos contradições se agravando. Quando o PT chega ao governo não mantém o serviço público, como agora na Infraero. A privatização da concessão é como na licitação um jogo de cartas marcadas. Temos aí o problema da água que as empreiteiras estão de olho.

O que faz o PT , cresceu ou inchou com o PED? Por isso, eu que sou do campo do CNB, da Ação Democrática, quero que DP continue fazendo o diálogo.

JoaoMoraesFUPJOÃO MORAES (FUP) – Obama fez questão de puxar o gatilho aqui, dando um recado: queremos comprar petróleo, senão se coloca essa possibilidade. Continuar os leilões de petróleo é um equívoco, ele é estratégico para o desenvolvimento. Se o governo avança com o regime de partilha, ainda está muito longe de contemplar essa estratégia. Se o Pré-Sal for para exportar para os EUA, repetiremos o que aconteceu com o pau-brasil, o ouro, e hoje com o ferro. Por isso o embate continua contra os leilões e a exportação. Foi aprovado o Fundo Social, mas se a discussão ficar interna ao Congresso, não atenderá ao povo. Só a mobilização fará ir esses recursos para educação, saúde e reforma agrária.
Não fosse a luta da FUP e da CUT , onde destaco também a militância do DP , o projeto limitado do governo teria piorado.

HelioHebsterHÉLIO HEBSTER (vereador , Limoeiro do Norte–CE): Fomos fracos e não conseguimos direcionar o PT para outro rumo. O PT associou-se ao agro-negócio, no Vale do Jaguaribe temos os mais elevados índices de câncer do país, fruto de agrotóxicos que proibidos no mundo. Na luta contra isso, foi assassinado com 19 tiros o ambientalista José Maria Tomé, e nada foi feito. Precisamos da federalização desse crime.

VERA LÚCIA (Incra- DF): A concentração de terra só aumenta, e não anda a reforma agrária. A dita “regularização” fundiária feita no âmbito do Ministério do Desenvolvimento Agrário e do próprio Incra, tem coisas horrorosas (e seria ainda pior com outro governo). Temos que lutar contra as mudanças no código florestal.

IVAN PEREIRA (Sind. dos Frios-RJ): Faz 5 anos do assassinato de Anderson Luis, presidente de nosso sindicato. Sua luta foi para construí-lo nas bases, combatendo o banco de horas na Nestlé, por exemplo.

Reafirmo aqui a luta pela apuração dos responsáveis desse crime. Haverá um ato no Rio, dia 10.

Nos dirigimos às autoridades do Estado e nada, o governador Cabral nem nos recebe.

Temos que lutar pela federalização desse crime e todos cometidos contra os movimentos sociais.

RaquelFernandesRAQUEL FERNANDES (SP): O manifesto precisa de uma defesa mais clara do serviço público com toda verba pública, e preocupação de qualidade do atendimento de saúde e educação para o povo. Precisamos tomar a iniciativa de articular um comitê nacional pela revogação da lei nº 9637/98 de FHC, das OS’s.

No plano interno, rejeitamos o PED, mas fique claro que queremos a volta das eleições nos encontros de delegados.

RUBINHO (vereador Reimont-RJ): essa é uma expressão do PT que sonhamos, que o Diálogo Petista puxe à esquerda. Sou da federação dos bancários, e represento aqui o mandato que na bancada do PT dialoga com os movimentos sociais. Nos empenhamos por uma candidatura própria para reforçar o PT no RJ, contra a aliança com o PMDB, que querem nos fazer indicar um vice. Nosso mandato está aberto ao Diálogo, com a disposição de prosseguir a discussão tão necessária.