Diálogo Petista 24 – 16 de julho 2010

“SEM CHAMAR VOTO E NEM SUBIR NO PALANQUE DE ROSEANE”

Entrevista com Raimundo Dutra, membro da Executiva do PT do Maranhão

image

Ouvimos para esta página do “Diálogo Petista” o dirigente do PT maranhense, que mostra que o apoio à gangue de Sarney não terá respaldo na militância.

Diálogo Petista: O que vocês decidiram fazer em relação ao “acordo” com a Direção Nacional do PT?

Raimundo Dutra: O “acordo” de liberar os militantes para fazer campanha para quem quiserem mostra como ficou complicada a situação. A maioria dos candidatos a deputado estadual e federal fará campanha para o Dino enquanto alguns candidatos a federal aparecerão em chapas com a trupe de Sarney. Essa divisão é um precedente perigoso para a democracia interna do PT.

Deveríamos todos sair na chapa com Dino como decidiu o Encontro do Maranhão. A oligarquia Sarney só levou a sigla e o tempo do partido. A maioria dos candidatos a deputado do PT aparecerá no programa de TV do Dino. A militância que tem representatividade no campo e na cidade está com ele. Os movimentos sociais decidiram que deveríamos manter as candidaturas, sem chamar voto e nem subir no palanque com Roseane, em particular a candidatura do companheiro Domingos Dutra para não ficarmos sem a representação da principal expressão de oposição a oligarquia Sarney.

DP: Como está a campanha do Dino (PCdoB), qual sua expectativa?

Dutra: A campanha está muito boa. Há grande rejeição à família Sarney e também à Jackson Lago (PDT), embora nos pesquisas apareçam em primeiro e segundo lugar. Dino deve crescer. O prefeito de Caxias (PDT) decidiu apoiá-lo. Não faz sentido o CNB forçar o PT a coligar com Sarney. Teríamos os votos para Dilma sem essa coligação. Quando o Lula disputou com Alckmin, a oligarquia Sarney não moveu uma palha para chamar voto ao Lula.

image

Adesivo da campanha do PT maranhense

Nas cidades do interior onde Sarney tem influência ganhou Alckmin. Onde há rejeição a Sarney, como em São Luiz, Imperatriz e Caxias, deu Lula, sendo que na capital com 80% dos votos. O fundamental é manter unido o PT anti-Sarney. Parte do CNB não vai colocar Roseane no seu material e já divulgou manifesto em favor de Dino.

DP: Como você viu a campanha impulsionada pelo Diálogo Petista?

Dutra: Foi muito produtiva, contribuiu bastante. Deveríamos incentivar companheiros nos outros estados a fazer um levantamento dos problemas existentes em relação à democracia interna no partido.

Hoje é diferente de quando os camponeses e operários tinham voz e vez no partido. Ou o militante está em alguma corrente ou é voz no deserto. O PED no Maranhão serviu para levar delegados para apoiar Sarney. As lideranças dos movimentos ficaram de fora.

O Diálogo Petista é um fórum onde pode participar militantes de todas as correntes. Os Encontros do Fórum deveriam acontecer mais vezes.

DP: O que você achou da proposta da Conferencia de Argel?

Dutra: É fundamental que a Conferência aconteça. Os governos procuram vender uma imagem de democracia quando dentro de cada país não é bem assim. No Brasil mesmo não podemos falar em democracia enquanto a reforma agrária, por exemplo, não for feita prá valer.

Diálogo Petista faz reuniões locais

Reunião em Lagoa de Itaenga (PE)

Realizada em 11 de julho em Lagoa de Itaenga (PE), a Reunião de Volta do Diálogo Petista teve 10 presentes, entre eles os membros da Executiva municipal Ronaldo Santos, que no ultimo PED encabeçou a chapa Terra Trabalho e Soberania e Independência ao diretório municipal, e Gilmar Dias, representante da tendência MAIS (Movimento Alternativo Independente Socialista).

Com todos de acordo com a Declaração “Voto PT, o único caminho!” adotada na Reunião Nacional do Diálogo Petista de 13 de junho, passou-se à discussão do que fazer para que seja respeitada pelos membros do diretório municipal (do CNB) a decisão de romper a aliança com o PSDB, entregando o cargo de secretário e demais postos de confiança que o PT ocupava na prefeitura tucana.

A conclusão foi convocar uma reunião do diretório para acionar a instalação da Comissão de Ética contra esses dirigentes que se recusam a acatar a decisão tomada pelo diretório e, com base no seu parecer, adotar as medidas cabíveis. Ficou decidido também iniciar uma campanha pela base, através de um abaixo-assinado de filiados ao PT, exigindo desses dirigentes o respeito à decisão da instância partidária.

Reunião em São Paulo

Realizada após a convenção oficial do PT-SP em 26 de junho, a reunião contou com 11 presentes da capital (os do interior não participaram devido à saída dos seus ônibus).

Misa Boito, da executiva do PT-SP e candidata a deputada federal, abriu a discussão lembrando que há um ano e meio o Diálogo Petista se organiza como espaço para levar lutas como pela retirada das tropas do Haiti, contra as OS’s e pelo petróleo 100% estatal, além de apoiar a Conferência Mundial Aberta de Argel no final desse ano. Ela destacou ainda que a convenção do PT-SP, coligado com partidos que os militantes petistas combatem no dia a dia, é um recado que “querem domar o PT”, como se tentou fazer no Maranhão.

Na discussão, uma companheira se mostrou preocupada com essas coligações, perguntando “fazer campanha para outro partido?”… quero dar respostas, afirmou. Outra companheira disse que é complicado fazer campanha para “nossos inimigos” e por isso estava de acordo com a declaração do Diálogo Petista ”Voto PT é o único caminho”.

Markus Sokol, do Diretório nacional do PT, constatou que o partido só tem candidatos a governador em 11 estados. “Não sei se o PT vai voltar a ter a cara que tinha, mas nós não podemos perder a cara”. Sobre a luta contra as Organizações Sociais (OS’s), mesmo que conste do programa do PT “regulação, transparência e controle das OS’s”, todos os presentes reafirmaram a disposição de continuar a campanha para acabar com elas, convocando uma reunião ampla de petistas, após a entrega em Brasília do dossiê, para discutir sua entrega também a Mercadante, candidato petista ao governo do estado.

Reunião em João Pessoa (PB)

A reunião na capital da Paraíba foi em 3 de julho, reunindo 10 militantes com a presença de Edmílson Menezes do PT pernambucano. A exceção de um companheiro, que disse que temos que “engolir o sapo do PMDB” para garantir a eleição de Dilma, os demais expressaram seu acordo com a Declaração “Voto PT, o único caminho!”.

Ao final foi decidido encaminhar uma campanha local pela desoneração dos impostos nas taxas de energia elétrica (PIS e COFINS), em cumprimento da lei 10.438/02. Uma nova reunião em 6 de julho decidiu provocar o Ministério Público da Paraíba para fazer cumprir essa lei.