Morre Geraldinho do PT, um militante do otimismo

Faleceu, nesta terça-feira (12), o companheiro Geraldinho, do PT da capital paulista e do zonal do Butantã. Fundador do PT, militante, sindicalista. Geraldinho recentemente ainda ajudou a construir o DAP na USP do Butantã. Dentre tantas homenagens, Alexandre Linares, atual Presidente do DZ da Mooca, descreveu Geraldinho como “um militante do otimismo”. O DAP Butantã fez uma homenagem virtual e divulga a homenagem abaixo. Geraldinho presente!

Morre um companheiro!

O DAP Butantã reunido por videoconferência prestou uma singela homenagem ao companheiro GERALDINHO, como chamávamos, que faleceu após dias de internação em meio a pandemia. Os testes indicam negativo para covid-19 e positivo para pneumonia, contudo a dor do distanciamento social é a mesma. É preciso transformar palavras em abraços. Frases em conforto. Ações à distância em apoio.

Homenagem do DAP Butantã

Em comoção decidimos fazer cartazes para homenager a importância da luta cotidiana que travava o militante Geraldo José da Cunha, Fundador do PT e do Diretório Zonal do PT no Butantã, sempre lado a lado com sua companheira e militante Leonilda. Sua casa foi palco de muitas atividades políticas inspiradoras. Trabalhador do Centro de Computação Eletrônica da USP, sempre atuou em defesa dos trabalhadores e estudantes, seja na direção ou na oposição, sua luta era junto do SINTUSP (Sindicato dos Trabalhadores da USP), uma luta intransigente em defesa da Universidade Pública. Todos conheciam Geraldinho, ou Fininho, e era comum dizerem que ele também conhecia todo mundo. Todos temos momentos importantes do partido para mantê-lo vivo na lembrança.

Seus pés estavam sempre pelas comunidades periféricas do Butantã e era um defensor da volta dos núcleos de base do PT. Nos últimos anos, agregou mais uma luta a sua caminhada: a Luta Contra o Golpe e a Defesa do Idoso, como membro do Conselho Municipal do Idoso e do Fórum do Idoso do Butantã, com motivação para formar o setorial do idoso do PT. Ajudou a constituir o DAP da USP e, no último ano, compôs com o DAP Butantã na disputa por melhorias do Diretório Zonal e na defesa por Lula Livre! Não titubeou, numa das primeiras reuniões do diretório recém-eleito, ao assumir a tarefa de compor a comissão de comunicação e a comissão de finanças.

Um militante incansável, atuante e aguerrido! É assim que lembraremos com carinho do companheiro Geraldinho.

Ao terminar nossa reunião, nós o saudamos em uníssono: GERALDINHO PRESENTE!

NOSSOS SENTIMENTOS À FAMÍLIA E AMIGOS!

Diálogo e Ação Petista Butantã

Homenagem do DAP Butantã (texto)

Morreu Geraldinho do PT, um militante do otimismo

Por Alexandre Linares*

Geraldinho da USP. A lembrança é tortuosa. Tento puxar da memória a primeira lembrança. Creio que foi na sede estadual do PT na região da Vila Mariana. Era o final da década de 1990. Fui levado à uma reunião de estudos para leitura de Marx pela querida Fabiana Valdoski. Foi meu primeiro contato com as jornadas de estudo do Núcleo de Estudos d’O Capital do PT (NEC-PT). Lá conheci militantes e amigos que fazem parte de minha história: Lincoln Secco, Ciro Senji, Marisa Yamashiro, Ligia Kimie, Eduardo Bellandi, Chiquinho, Luiz Fernando. Agnaldo Santos eu já conhecida do Sapopemba e lá o reencontrei o amigo. Foi lá junto com essas companheiras e companheiros que conheci Geraldinho do PT. Foi nas leituras do primeiro volume d’O Capital e nas conversas sobre conjuntura política junto aqueles militantes que insistiam em estudar o marxismo no PT.

Geraldinho era um rosto daqueles que parece imortalizado nas fotos da fundação da CUT e do PT. Gentil e articulado foi dirigente sindical dos trabalhadores da USP e militante partidário abnegado.

Geraldo José da Cunha era seu nome. Mas o diminutivo era uma forma de expor sua grandeza. Era uma daquela engrenagens mais delicadas e fundamentais do PT. Um exemplo que todos nós conhecemos nos bairros, nos locais de trabalho, nos bares e igrejas. Generoso, lembro-me de num processo de eleições diretas do PT, na campanha em seu diretório zonal, o DZ do Butantã, uma companheira explicar que “ele conhecia todo mundo”.

Trabalhador do Centro de Computação Eletrônica da USP (CCE) foi um defensor intransigente da universidade pública. Ajudou a criar o projeto “Cidadania Digital” na USP, voltado para os trabalhadores terceirizados. Na época do lançamento do projeto ele explicou: “É importante que os funcionários da USP saibam que o espaço em que trabalham também é deles”. Para ele era necessário que todos que estavam na universidade tivessem o direito de aprender.

Quando apresentei ele ao meu amigo Everaldo de Andrade, para articular o Diálogo e Ação Petista na Universidade de São Paulo lembro-me do relato de Everaldo: “ele conhece todos os petistas da Universidade”.

Encontrei algumas dezenas de vezes. Bem pouco para ser sincero. Mas ele era tão humano que era impossível não se alegrar. Mesmos nos momentos mais difíceis da conjuntura ele estava otimista. Ajudando a enfrentar o pessimismo de tantos intelectuais que pulavam fora da trincheira. Talvez tenha o encontrado pela última vez numa festa de final de ano do NEC-PT. Ou num congresso do partido.

O companheiro Carlos Zarattini enviou a triste notícia: “Faleceu hoje o companheiro Geraldo José da Cunha, o Geraldinho do Butantã. Depois de uma longa internação no Hospital das Clínicas acometido de uma pneumonia. Foi um dos mais importantes militantes do nosso Partido na região e na USP, onde participava do movimento sindical. O nosso abraço para a companheira Leônilda, seus filhos, netos e parentes.”

Me junto ao abraço à companheira Leônilda e aos familiares e amigos.

Horas antes, tinha falado sobre ele com um dirigente da CUT sobre uma manifestação do Sintusp por condições de trabalho e proteção aos servidores no Hospital Universitário da USP.

Que o otimismo militante de Geraldinho fique entre nós. Na luta conjuntural para dar fim ao governo Bolsonaro. Mas também na luta essencial para pôr fim ao sistema social de exploração (capitalismo) que nos arrasta para a barbárie. E principalmente para construir uma nova sociedade socialista, necessária para resgatarmos a esperança no futuro.

Geraldinho PRESENTE!

*Alexandre Linares é professor e assessor de imprensa.
Presidente do Diretório Zonal do PT da Mooca
e colaborador do jornal O Trabalho
e participante do Diálogo e Ação Petista

Gostou? Comente sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: