Lula em Rio Grande/RS: “o povo não pode esperar 2018”

No dia seguinte ao poderoso movimento de greve geral, aconteceu um ato político na cidade de Rio Grande (RS) com a presença de Lula – “Em defesa do Polo Naval e do Conteúdo Local”.

Em frente à prefeitura da cidade, recepcionados pelo seu prefeito, Alexandre Lindemayer (PT), reuniram-se mais de 10 mil pessoas. Eram os militantes e trabalhadores que vieram em caravanas de dezenas das cidades do Estado, jovens estudantes da Universidade Federal dos Pampas (UNIPAMPA) criada no governo de Lula, que assistiram com entusiasmo e atenção o evento.

Todos os oradores enalteceram a extraordinária greve da véspera. Alguns, como Dilma e Olívio Dutra, concluíam remetendo a construção de uma saída nas eleições de 2018.

O presidente nacional da CUT, Wagner Freitas, foi além, sintetizando ao final de sua fala: “Fora Temer, Nenhum direito a menos, Eleições Diretas Já, Constituinte! ”.

Lula, ao encerrar o Ato, afirmou que “podia esperar as eleições de 2018, mas o povo com fome e os trabalhadores desempregados não podem esperar até 2018”. Lula se lançou candidato para recuperar a Petrobrás, o regime de partilha e o Parque Naval Nacional. E mais, afirmou que quer voltar a ser presidente para impedir a destruição do país pelas multinacionais e para regular a mídia.

O Diálogo e Ação Petista (DAP) ajudou na organização das caravanas no Estado, e esteve presente com uma faixa (veja foto).