Diálogo Petista 69

 

NÃO À 11º RODADA DE

LEILÃO DO PETRÓLEO

 

O governo apresentou, no dia 19, os 289  blocos  que  devem  entrar  na  11ª rodada de leilão de áreas exploratórias, prevista para maio.

Clipboard01João Antonio Moraes, coordenador da Federação  Única  dos  Petroleiros  (FUP-CUT),  esteve  presente  ao  5º  Encontro Nacional do Diálogo Petista (novembro de 2012), onde foi decidida uma campanha dirigida ao governo através de um abaixo-assinado que reivindica o cancelamento da 11ª rodada. Em meio a uma intensa atividade da categoria que, em estado de greve, está negociando as suas reivindicações com a Petrobras, Moraes fala nessa edição sobre a importância da campanha na luta em defesa do petróleo para a nação brasileira.

Diálogo Petista – A FUP tem uma clara  posição  contra  a  retomada  dos leilões. Um assunto que diz respeito a todos os trabalhadores. Como você vê a ajuda com a campanha com o abaixo-assinado?

João Antonio Moraes – Penso que a questão de energia e particularmente o Petróleo sempre foi e continuará sendo tema de muitas disputas no mundo, e essa disputa somente pendeu a favor da maioria  das  populações  atendendo  a
soberania  popular  na  medida  que  se tenha mobilização social. Nesse sentido, o abaixo assinado é uma iniciativa importante para dialogar com a sociedade e contará  com  apoio  da  FUP  e  seus Sindicatos.

DPA campanha envolvendo amplos setores, mais à frente, poderia construir uma delegação a Brasília e pedir audiência  com  o  governo  para  entregar  os abaixo-assinados?

JAM– Penso que sim, porém teremos maior ou menor espaço politico na medida  que  avançarmos  com  o  número  de assinaturas.

DP– A pressão das multinacionais do petróleo, mesmo se conseguiu a retomada dos leilões, não cessa. Há uma ofensiva, que incluiu essa campanha contra a Petrobrás, para fazer o governo recuar do regime de partilha para o pré-sal. Como você vê essa situação?

JAM– O regime de partilha não é a retomada do monopólio executado por uma Petrobrás 100% estatal e pública, conforme  consta  no  projeto  dos Movimentos Sociais e,  não temos dúvida, é o ideal para o povo brasileiro realmente planejar a utilização do pré-sal para as futuras gerações.  No entanto, não temos dúvidas também que o projeto de partilha do Presidente Lula representa um avanço importante  em  relação  a  lei  das  concessões imposta ao país pelo neoliberalismo tucano através da lei 9478 de FHC.

Penso  que  os  atuais  ataques  à Petrobrás, à construção de refinarias e à lei da partilha por parte da oposição midiática é mais do mesmo. Isto é, apesar de o  neoliberalismo  estar  desmoralizado através da atual crise econômica mundial,
que foi consequência direta de suas políticas e leva os trabalhadores estadunidenses e europeus a uma situação de penúria, os neoliberais tupiniquins não desistem e sempre voltam a atacar, seja através dos partidos conservadores ou da imprensa vendida e antipatriótica.

DPQual a expectativa da categoria diante das negociações com a empresa, por suas reivindicações?

JAM– Estamos organizados na FUP e nossos Sindicatos para resistir às tentativas  de  utilizar  um  lucro  menor  da Petrobrás  para  rebaixar  as  nossas condições de trabalho, nós não aceitaremos essa situação e iremos à luta sempre que for necessário, como acontece agora na  questão  da  PLR  (Participação  nos Lucros e Resultado). Queremos  reafirmar,  no  entanto,  que estaremos presentes na Marcha da Classe Trabalhadora  chamada  pela  CUT  e demais centrais no dia 06 de março em Brasília e em todas as lutas pela soberania  nacional  e  causas  populares.  O petroleiros da FUP são, acima de tudo, comprometidos com a construção de um Brasil justo, democrático, soberano e popular.

 

 

Petistas no carnaval de Salvador

Nas ruas, manifestação em defesa do PT

e dos direitos democráticos

Clipboard02

No dia 11 de fevereiro, por ocasião da tradicional manifestação da Mudança do Garcia no carnaval de Salvador, ocorreu o Ato público em defesa dos direitos democráticos e do PT. Na comemoração dos  33  anos  do  PT  e  aos  gritos  de
“Partido, partido é dos trabalhadores” o ato convocado pelo Diálogo Petista contou com a presença de cerca de 30 pessoas  entre  sindicalistas,  petistas  e jovens, além da presença de foliões que de forma positiva recepcionaram a iniciativa.  Militantes  da  corrente  O Trabalho, que integra o Diálogo Petista, se fizeram presentes (foto).

A  convocatória  lançada  após  duas reuniões do Diálogo dizia que “O STF ao concluir o julgamento da Ação Penal 470 sem qualquer prova, busca atingir hoje o PT e, depois, outras organizações, militantes e os direitos democráticos. É o momento de unidade, a hora é agora.  É possível, todos juntos, sairmos às ruas na Mudança para defender os direitos democráticos e o PT.” O presidente da CUT/BA, Cedro Silva, disse que a iniciativa é “para condenar as práticas que a burguesia e os tribunais conservadores, que são contra a maioria dos pobres do país, vem julgando este partido.  Não  vamos  ficar  calados…”.

Lourival  Lopes,  da  Executiva  Estadual do PT e da corrente O Trabalho, afirmou que “tudo o que conquistamos foi com suor e luta, como 54% de aumento real do salário mínimo. É isso que incomoda a burguesia e o imperialismo, querem destruir nosso partido que é instrumento  dos  trabalhadores  para  conquistar mais”. Bernardino Gayoso, da Cobrapol e  Sindpoc,  destacou:  “estamos  aqui contra o que querem nos tirar as conquistas… dizer não a essa condenação ao
s companheiros, com essa aberração penal  470.  Pelo  PT,  pela  democracia, todos juntos”. Antes de seguir com pirulitos e bandeiras pelas ruas, o ato foi encerrado com o compromisso dos presentes  em  realizar  outra  reunião  do Diálogo para prosseguir esta luta e outras iniciativas.

Paulo Riela

 

 

Debate em Fortaleza

Cerca de 30 pessoas compareceram ao debate Justiça, Imprensa e Direito de Organização (Em defesa do PT e dos direitos democráticos), na sede do PT em Fortaleza, em 6 de fevereiro.

A mesa foi formada pelos vereadores do PT de Fortaleza, Deodato Ramalho e Ronivaldo Maia, o professor de direito da UFC, Newton Albuquerque, o advogado  e  representante  da  Consulta Popular, Cláudio Silva e Eudes Baima, do Diálogo Petista.

Todas as intervenções afirmaram que os ataques não vão parar e que ficar na defensiva pode ser fatal para o PT. Newton lembrou que o Judiciário e a imprensa  cumprem  hoje  o  papel  de partido da burguesia. Deodato destacou que a consagração da “teoria” do domínio do fato abre caminho para a criminalização dos movimentos. Ronivaldo disse que esta questão tem de integrar  a  preparação  do  PED  2013.

Cláudio disse que, mesmo sem pertencer ao PT, sua organização está incondicionalmente  contra  os  ataques  ao partido e aos movimentos. Eudes, coordenador do debate, propôs atos de 33 anos do PT, em defesa do partido e dos direitos e pela anulação da sentença da AP 470, o que ficou para ser discutido em reunião após o carnaval.