Ex-diretor da OMS denuncia patentes de vacinas

Ex-diretor do Programa de Medicamentos da OMS denuncia as patentes de vacinas cobiçadas

Publicamos uma entrevista de Germán Velásquez, ex-diretor do Programa de Medicamentos da OMS, sobre a questão das vacinas. A entrevista foi concedida a Cristina Mas, para o Jornal Ara, da Catalunha. “O principal interesse da indústria farmacêutica são seus acionistas, saúde pública vem depois”, diz Velásquez. A entrevista foi publicada no dia 1 de janeiro deste ano. Versão em português obtida no site de O Trabalho.

“O principal interesse da indústria farmacêutica são seus acionistas, saúde pública vem depois”

Germán Velásquez

Germán Velásquez (Colômbia, 1948) trabalhou por mais de 20 anos na Organização Mundial da Saúde, foi diretor do Programa de Drogas. Sua defesa do direito dos países pobres ao acesso a todos os medicamentos o colocou contra a indústria farmacêutica, em um combate desigual que o obrigou a viajar pelo mundo sob escolta da ONU. Doutor honoris causa por várias universidades, ele agora é conselheiro especial do South Centre, uma organização com sede em Genebra composta por 54 países do sul. Ele responde às perguntas da ARA poucos dias antes da reunião da Organização Mundial do Comércio (OMC), em janeiro deste ano, para discutir a proposta de suspender as patentes das vacinas COVID-19, tratamentos e testes durante a pandemia.

E se as vacinas covid-19 que foram licenciadas e as que estão sendo desenvolvidas não tiverem patentes?

O acesso a esses medicamentos aumentaria substancialmente para os países em desenvolvimento, que representam três quartos da população mundial. E talvez a pesquisa também fosse mais rápida, porque os resultados teriam sido compartilhados em vez de investir quantias astronômicas de dinheiro público nas fases iniciais de diferentes projetos.

Então, as patentes são uma barreira ao acesso a medicamentos?

Sim. E não é um problema novo. No início dos anos 2000, os tratamentos anti-retrovirais para o HIV custavam US$ 12.000 na África do Sul e eram inacessíveis para a maioria da população e, como as patentes foram quebradas, custavam menos de US$ 100 e estão disponíveis em todo o mundo você precisa deles. Há muitos outros exemplos: cinco anos atrás, a farmacêutica norte-americana Gilead desenvolveu o Sovaldi, medicamento que cura a hepatite C: o preço inicial era de US$ 84.000 para um tratamento de três meses, quando sabemos que o custo é inferior a US$ 100. Hoje, no Egito, que é o país com maior incidência da doença, todos têm acesso porque as autoridades decidiram rejeitar a patente e uma indústria local conseguiu fabricá-la. A farmacêutica Vertex colocou no mercado em 2015 um medicamento contra a fibrose cística em crianças que custa US$ 133 mil. Kymriah, um medicamento da Novartis contra a leucemia, custa cerca de 320.000 euros por tratamento e o mesmo laboratório suíço desenvolveu o que é considerado o medicamento mais caro da história, um tratamento contra a atrofia muscular em bebês que custa 2,1 milhões de dólares. E tudo isso porque são medicamentos patenteados.

Como é fixado o preço dos medicamentos?

Há cem anos, quando a indústria farmacêutica começou a se desenvolver, ela era fixada em relação ao preço de custo, que inclui o investimento em pesquisa, matéria-prima e mão de obra. As patentes foram introduzidas há vinte anos e isso mudou. Mas há quatro anos houve uma mudança de paradigma particularmente séria: agora a indústria argumenta que o preço não precisa ser baseado no custo, mas no valor do medicamento. E isso é tão subjetivo quanto o valor de uma vida. A OMS e os governos aceitam, quando isso não é permitido a nenhuma outra indústria. No final, eles definem os preços com base no que cada país está disposto a pagar.

As empresas farmacêuticas argumentam que sem patentes não haveria inovação: que elas têm que ter retorno do investimento que fizeram em pesquisa.

Nunca na história da medicina houve uma injeção tão massiva de dinheiro público como agora para desenvolver tratamentos e vacinas contra o covid-19. E, graças a isso, os prazos foram encurtados: normalmente leva dez anos para ter uma vacina e agora está sendo feita em dez meses. Isso é muito bom, mas também há elementos críticos: não há rastreabilidade desse investimento público. O sistema de patentes visa facilitar o investimento de dinheiro privado em pesquisa. Mas estamos pagando duas vezes pelas vacinas: bilhões de dinheiro público foram investidos para desenvolvê-las e agora os cidadãos têm que pagar por elas por meio de compras feitas por governos de empresas farmacêuticas, que podem obter uma patente para recuperá-las, investimento que eles não fizeram. É necessário verificar em que medida é legítimo uma empresa patentear um produto do qual não foi o principal financiador. E agora é a hora de fazer isso.

A patente também serve para garantir a qualidade dos medicamentos?
Vimos o que aconteceu com os testes e máscaras na primeira onda da pandemia: eles eram de baixa qualidade e lotes inteiros tiveram que ser recolhidos.

A patente não tem nada a ver com qualidade. Existem milhares de medicamentos no mercado que são genéricos, sem patente. E eles têm que passar pelos mesmos controles de qualidade que as autoridades reguladoras estabelecem.

Os países ricos estão monopolizando a produção de vacinas, existentes e futuras. Que impacto isso tem no acesso global?

Que três quartos da população mundial levará meses e provavelmente anos para ter acesso à vacina. Simplesmente porque os países ricos fizeram o contrário do que prometeram antes da OMS: o projeto Covax, que tinha que garantir que todos os países teriam inicialmente vacinas para cobrir pelo menos 20% de sua população. O oposto está sendo feito. E isso, do ponto de vista ético, é uma pena, assim como um erro do ponto de vista da saúde, porque sabemos que é importante vacinar toda a população mundial ao mesmo tempo. É também um erro de cálculo do ponto de vista econômico, porque se o mundo em desenvolvimento não pode produzir e consumir, a economia mundial não pode ser restaurada.

Você acha que a Covax está ameaçada?

União Européia, Estados Unidos, Canadá, Austrália e Japão já violaram o acordo ao adquirirem toda a produção mundial. Covax não faz mais sentido. Ele nasceu muito debilitado desde o início porque ninguém teve forças para obrigar os estados a implementarem o plano.

Mas os países ricos dizem que darão as doses restantes.

É o que sempre disseram. Mas a França e a Espanha disseram que primeiro vacinarão toda a sua população e em poucos anos darão esmolas aos países pobres.

Se todos concordarem que a população mundial deve ser vacinada ao mesmo tempo começando pelos mais vulneráveis para combater a pandemia, isso significa que a situação não vai melhorar?

Como o tempo de desenvolvimento da vacina foi reduzido, talvez novas surjam muito em breve e mais baratas e os países do Sul poderão acessá-las. Isso desde que os países industrializados não se lancem para comprar as novas vacinas que são aprovadas para ter, portanto, estoque de segurança.

Os países do Sul têm capacidade para vacinar em massa?

Historicamente, as campanhas de vacinação têm sido realizadas com excelentes resultados, mesmo nos países mais pobres. Outra coisa é que as vacinas que precisam da rede de frio têm uma logística muito difícil, mesmo para o Norte, e quase impossível para o Sul.

Você foi o autor do ‘livro vermelho’ que há 20 anos deixou claro que havia exceções legais no sistema de patentes no caso de medicamentos.

Quando a OMC foi criada, a aplicação de patentes por um período de 20 anos foi generalizada para produtos farmacêuticos. Mas há uma série de direitos totalmente legais nos países, alguns mecanismos de proteção à saúde pública, as chamadas flexibilidades, como as licenças compulsórias. Todos os estados têm o direito de retirar a patente de seu proprietário por motivos de saúde pública ou práticas anticoncorrência. E autorizar terceiros a produzir, o que reduzirá os custos. O proprietário da patente recebe royalties daqueles que produzem o genérico. E o país que fez mais licenças desse tipo são os Estados Unidos. Isso poderia ser feito por qualquer país agora com vacinas contra covid-19.

E por que não é feito?

Agora, um passo está sendo dado para trás e esses mecanismos estão sendo questionados. O acesso a tratamentos e vacinas foi discutido na assembleia da OMS de outubro. Alguns chefes de governo, como Macron, Merkel ou o próprio Pedro Sánchez, declararam solenemente que os medicamentos ou vacinas para uma pandemia eram bens públicos globais. E um bem público não pode ser patenteado. Mas enquanto faziam esses discursos pomposos, suas próprias delegações negociavam uma resolução que não fala em retirar as patentes. A Fundação Bill e Melinda Gates disse que a propriedade intelectual não pode ser tocada porque põe em causa o futuro da inovação, o que é totalmente falso.

Algum país poderia fazer isso?

Sim. Hoje, a maioria dos países do mundo já inclui em suas legislações nacionais. Basta um país para fazê-lo, e o mais fácil é ter capacidade para produzir vacinas, como Índia, África do Sul ou Brasil. Mas não creio que isso aconteça, porque nas negociações da OMC os países industrializados deixaram claro que não permitirão, e os Estados Unidos ou a UE fazem tanta pressão que acho que nenhum país terá sucesso. Não se esqueça de que, quando a Tailândia experimentou uma droga contra o câncer há dez anos, os EUA ameaçaram um bloqueio comercial. Meu país, a Colômbia, durante dois anos tentou fazer uma licença compulsória de um medicamento da Novartis e acabou renunciando sob pressão do governo suíço e dos Estados Unidos.

A corrida pelas vacinas tem muita política.

Nos últimos 20-30 anos, tem havido tensão entre dois atores: o setor comercial e o setor de saúde. O dilema era se o benefício das empresas privadas que estão ficando mais ricas ou dos cidadãos é mais importante. Agora um novo ator é adicionado, que é o político. Os governos estão liderando um autêntico nacionalismo de vacinas para mostrar à sua população que eles fazem tudo o que podem e é por isso que acumulam vacinas até para fins eleitorais.

Mas nenhuma indústria pode fazer vacinas para 8 bilhões de pessoas. E em vez disso, eles não permitem que outros façam isso.

A capacidade global de produção de vacinas é de 2,5 bilhões de doses por ano. Com a capacidade atual, levaria três ou quatro anos, e as empresas preferem manter preços caros, mesmo que isso signifique que só os países ricos comprem. Isso nos mostra que o principal interesse da indústria farmacêutica global não é a saúde pública, mas o que acontece nas bolsas de Nova York e Londres e como elas remuneram seus acionistas.


https://www.ara.cat/en/German-Velasquez-pharmaceutical-companies-patents-benefits-coronavirus-covid-19-vaccines_0_2592340798.html

Gostou? Comente sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: