7º ENDAP: após a abertura, debate

Os 117 delegados e observadores representando grupos de base do DAP em 15 estados, debateram a situação política e as tarefas junto à luta dos trabalhadores e pela reconstrução do PT, à luz das Resoluções do 6º Congresso.

Debate enriquecido pelo ato de abertura com os elementos trazidos pela presidente do PT, Gleisi Hoffmann e Raúl Ordoñes, deputado eleito em 30 de junho para a Assembleia Constituinte convocada pelo presidente venezuelano, Maduro. A mesa do ato, presidida por Misa Boito, do Comitê Nacional do DAP, também foi integrado por Luís Eduardo Greenhalgh que apresentou a 9ª Conferência Mundial Aberta, em Argel.

O ato, no dia 7 pela manhã, precedeu a plenária da tarde, sobre a Operação Lava Jato, apresentada por Luís Eduardo Greenhalgh, membro do Diretório Nacional do PT, e as resoluções do 6º Congresso do PT, apresentadas por Markus Sokol, membro da Executiva Nacional do PT. Sobre a Lava Jato Greenhalgh destacou que “tudo desemboca na 13ª Vara de Curitiba.

Nem na ditadura aceitava-se condenações com base em delações obtidas sob tortura. Mesmo o STF – em tese, guardião da Constituição – parece ter medo da República de Curitiba”. Sokol, disse que “o agigantamento do Judiciário a partir da Ação Penal-470 (o chamado “mensalão”) permitiu que ele fosse se constituindo como um poder acima dos demais, com consequências na política, na economia e no Estado”.

Para Sokol, o 6º Congresso não fez o balanço dos 13 anos de governo do PT, “nos quais não mexemos no Estado e seus aparelhos. O texto fala em adaptação às instituições quando deveria chamar de conciliação de classes a política que nos trouxe até a presente situação”. O que só ressalta a importância da decisão do 6º Congresso sobre a Constituinte.

Da discussão desta plenária emanou o Manifesto, aprovado no dia 8 pela manhã (clique aqui e leia o Manifesto aprovado. Ainda no dia 7, pela noite, depois de assistirem o vídeo “Os 10 dias que mudaram o mundo”, sobre os 100 anos da Revolução Russa, apresentado por Julio Turra, do Comitê Nacional do DAP, houve uma confraternização entre os participantes. Uma atividade exclusivamente autofinanciada, a vinda dos delegados e observadores foi garantida por arrecadações dos grupos de base.

Para cobrir os gastos com a organização do evento, além da arrecadação e contribuição dos aderentes do DAP, uma coleta feita entre os participantes do ato de abertura garantiu a realização de um encontro totalmente autofinanciado.

Roberto Salomão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s