Diálogo Petista 36

.

“Anima saber que cada pessoa aqui tem condições de continuar revolucionando as ideias”

José Cândido, deputado estadual de São Paulo
no Encontro Nacional do Diálogo Petista

Dep.José CândidoUm dos temas debatidos durante o encontro do Diálogo Petista, que ocorreu em 2 de abril em São Paulo, foi o estrago que representa ao partido o Processo de Eleições Diretas (PED), para eleição de direções. O Encontro se pronunciou pelo fim do PED e pela volta dos Encontros.

Publicamos abaixo o trecho da intervenção do companheiro José Cândido, militante do PT na cidade de Suzano (SP).

“Eu acho que nós, fundadores ou não do PT, que alcançamos o PT em sua essência, devemos continuar sendo batalhadores dentro do PT.

Uma coisa que me anima é saber que cada pessoa que está aqui tem condições de continuar revolucionando as ideias, tem condições de levar para seus Estados, para seus diretórios e para suas cidades a discordância do caminhar do partido no Brasil, no Estado e cidade. Lá na minha cidade nós tínhamos, durante muitos anos, um grupo mais ou menos organizado de 700 a 800 filiados. Isso prevaleceu por um determinado tempo. De repente o partido inchou. Hoje temos quase 5 mil filiados. E o que aconteceu no PED passado? A chapa que uniu os fisiologistas, durante o dia do PED, mapearam a cidade e fizeram quatro pontos de churrascada e tinham mais de vinte vans que levavam os companheiros filiados para comer churrasco e tomar cerveja. Gostaria que isso só tivesse acontecido na minha cidade.

Mas lamentavelmente, infelizmente, aconteceu, de maneira mais ou menos escandalosa, em quase todo o Brasil. Eu quero terminar dizendo para todos e todas que estão aqui, continuem essa disposição, a essa luta. Graças a alguns rebeldes, alguns desobedientes, algumas pessoas que não sabem dizer amem é que o partido ainda sobrevive nos cantos do Brasil exercendo a verdadeira democracia, não aquela “democracia” entre aspas onde um fala e os outros escutam, onde quem tem poder manda e quem tem juízo obedece. Eu acredito que o partido não foi criado para isso, porque o nome diz: Partido dos Trabalhadores.”


Reunião em Juiz de Fora

presta contas e tira campanha!

No último dia 13 de abril, em Juiz de Fora, quinze petistas, lideranças sindicais, populares e estudantis participaram da primeira reunião do Diálogo Petista, depois do retorno da delegação que participou do Encontro Nacional em São Paulo.

Na reunião a professora Carol, da direção Sindicato dos Professores destacou a fala do companheiro Fignole da Central Autônoma dos Trabalhadores do Haiti, explicando a ocupação e principalmente mostrando que quem dirige a ocupação militar não é o Brasil, mas sim Estados Unidos, França e Canadá.

Ela disse que isso é algo que a militância petista não sabe e precisa saber.

Já o companheiro Marola, liderança da Sociedade Pró-Melhoramento do Bairro Sagrado Coração, chamou a atenção para o fato de que, independente da origem ou da região, o espírito da militância é o mesmo, de indignação com o governo petista que não atende as reivindicações para ceder a “aliados” da burguesia. Ele também afirmou que vê esperança e o Diálogo Petista é a expressão disso.

O Vereador Betão deu destaque à presença no Encontro de militantes das mais diferentes trajetórias, ressaltando que houve um crescimento importante de um encontro para o outro. O crescimento foi, inclusive, na participação de novos parlamentares que querem debater os problemas do PT a luta por uma política independente.

A reunião discutiu o manifesto e as iniciativas do encontro nacional.

Também decidiu propor ao PT Municipal uma campanha contra a privatização/terceirização das políticas sociais municipais para Organizações Sociais (OS), proposta aprovada em reunião posterior do Diretório Municipal, onde foi divulgado o “Manifesto aos Petistas” que saiu do Encontro Nacional.

Oleg Abramov


Correspondência do Maranhão

Recebemos no último dia 9 a carta (abaixo) da companheira Dalva, do PT do Maranhão, pedindo divulgação para a denúncia da nova crise no PT do Estado.

Como se recorda, no ano passado, o Palácio do Planalto impusera o apoio à candidatura da governadora de Roseana Sarney (PMDB), contra a vontade do Encontro do PT de coligar com o candidato do PCdoB local. Uma mobilização, apoiada pelo Diálogo Petista, que incluiu a greve de fome de alguns parlamentares e lideranças, levou a um acordo com a direção nacional do PT em que os “rebeldes” não precisaram apoiar Roseana. Mas uma vez eleita a governadora, os problemas voltaram, como mostra o recurso do companheiro Jardim aos dirigentes nacionais, denunciando a manipulação da instancia estadual.

Diante do descalabro que norteia o PT no Maranhão e, na expectativa do DIALOGO repercutir o que fazem, e como aqui agem os asseclas da CNB, lhes encaminho a convocação para a reunião da Executiva.

Rompendo "Grito no Silencio" da Direção Nacional!

Dalva

Companheiro Presidente do PT, José Eduardo Dutra, e companheiro Paulo Frateschi,

Remeto para seu conhecimento copia de convocatória para reunião da Executiva Estadual do PT em que apenas os membros de uma tendência são convocados, fato absolutamente estranho as formalidades e regras estatutárias do PT.

Chamo atenção para absoluta condição de anormalidade em que se encontra o PT-MA.

Abraços, Marcio Jardim

De fato, inicialmente, a governadora nomeou os lideres petistas que a apoiaram para várias secretarias. Eles, então, fecharam o partido que ficou até sem sede conhecida.

Mas depois os demitiu com grande estardalhaço.

Por exemplo, o secretário da Educação, Antonio Raposo, foi demitido sob a acusação de incompetência e corrupção, e outros secretários “petistas” com outras acusações, vários deles agora investigados publicamente pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Estadual, o que gerou uma onda de desmoralização do PT e de indignação na militância – Roseana passando por honesta e o PT por bandido?!

Por isso, agora, um grupo de dirigentes e parlamentares do Maranhão entraram com um pedido junto ao DN de Dissolução do Diretório Estadual e/ou Intervenção.