Reunião Nacional

CONVOCATÓRIA DA REUNIÃO NACIONAL DO

DIÁLOGO PETISTA

13 de junho de 2010, Brasília

COMPROMETIDOS com os princípios da fundação do PT, cuja atualidade é reforçada pela atual crise capitalismo,

DECIDIDOS a combater a volta dos tucanos privatistas como parte da luta pela emancipação soberana do Brasil e da América Latina da dominação imperialista,

ENGAJAMO-NOS na vitória da candidatura presidencial do PT, Dilma, e de todos os candidatos do PT nos Estados, como parte da luta por um governo do PT que faça o que deveria ter sido feito em dois mandatos:

•  Monopólio do Petróleo para a Petrobras 100% Estatal (PLC 531 da FUP, CUT e Movimento Sociais);

• Defesa dos Correios, Infraero e estatais; Reestatizar a Vale, Embraer, Ferrovias e empresas privatizadas;

• Reforma Agrária, atualização do índice de produtividade da terra e limitação do tamanho da propriedade; defesa do pequeno proprietário, ribeirinho, indígena e quilombola contra o agro-negócio; proteção do meio-ambiente;

•  Redução da jornada para 40 horas sem redução salarial; Estabilidade no emprego;

•  Acabar o superávit primário para pagar a dívida e no serviço público; revogar a legislação imposta por FHC, começando pela Lei no. 9.637/98 das OS’s;

•  Estabelecer a centralização do câmbio para proteger o parque industrial nacional;

•  Solidariedade com o Haiti com médicos, engenheiros e técnicos, e não com tropas.

CONVIDAMOS amplamente os companheiros, agora, por ocasião da Convenção Oficial do PT, para uma discussão livre sobre como avançar nessa direção, tanto no terreno da luta de classe direta como também nas eleições. Há muita coisa que fazer e corrigir em defesa do PT.

Afinal, como é possível avançar com Governadores contrários ao novo marco regulatório para o petróleo, como Cabral (PMDB-RJ), ou que reduzem o salário nominal dos servidores, como Eduardo Campos (PSB-PE)? Como avançar num “acordo nacional” com o PMDB de Jader, Temer e Helio Costa?

Esse tipo de “aliança” ameaça amputar as bancadas do PT, ameaça na verdade o próprio PT. Ainda mais quando se tratora e desrespeita decisões de encontro, como em Pernambuco.

São problemas urgentes colocados para todos nós nesta eleição. Afinal, Dilma é a única que pode encabeçar um governo de mudança de verdade, com aliados, sim, mas aliados para fazer um governo comprometido com as aspirações de soberania e justiça social do povo brasileiro.

Para tanto queremos uma campanha de polarização e mobilização pelo petróleo, pela terra e as demais bandeiras!

5 de maio de 2010


Adriano Diogo
, deputado PT-SP;
Gilney Viana, em apoio, Coletivo da Secretaria de Meio Ambiente do PT;
João Moraes, coordenador Federação Única dos Petroleiros;
José  Parente, Confederação das Associações dos Servidores do Incra;
Julio Turra,  executiva nacional da CUT;
Markus Sokol Diretório Nacional;
Renato Simões, Executiva Nacional.