Coletes amarelos, classe operária e democracia

[A partir da versão portuguesa, artigo publicado em Informations Ouvrières, nº 572, em 26.09.2019, na França]

“Manifestantes atacaram um hospital”. Todos se recordam da solene falsificação do ministro do Interior, Castaner, na tarde do 1º de Maio de 2019. Teve por comparsas nesta provocação de Estado, o sr. Hirsch, Diretor da Assistência Pública, encarregado da asfixia dos hospitais e, evidentemente, a mídia domesticada, como a BFM-TV, propriedade do grupo financeiro Altice.

Por Michel Sérac

A maquinação seria desmontada, em 24 horas, pelos funcionários do Hospital da Salpetriere, seus sindicatos e os manifestantes agredidos. Mas se nesse dia o cortejo sindical foi atacado, se as forças policiais cercaram, lançaram gases e aterrorizam manifestantes pacíficos, se o Elisée (sede do governo, NdT) multiplicou provocações, é porque um perigo importante ameaçava o presidente dos ricos. Na vaga de assalariados que se manifestavam misturavam-se estreitamente os coletes amarelos da revolta política e os coletes vermelhos dos sindicalistas.

Esta junção na luta é a prova de que uma outra tentativa fracassou miseravelmente, a de 6 de dezembro de 2018. Nesse dia, a CFDT (Central Francesa Democrática do Trabalho) – que, em 2016, apoiou a Lei do Trabalho do presidente Hollande e seu, então ministro, Macron, contra as Convenções Coletivas – ela procurou continuar a sua tarefa isolando os Coletes Amarelos. Assim, convocou para a sua sede uma reunião intersindical. O comunicado que dela saiu, não diz uma palavra sobre a repressão selvagem. Ao contrário, felicita o governo «por ter aberto a porta ao diálogo» e «denuncia toda e qualquer forma de violência na expressão das reivindicações»! Esta criminalização dos trabalhadores revoltados não espanta ninguém, vinda do pseudo-sindicato CFDT; mas, a sua adoção pela reunião intersindical espanta e enche de indignação todos os verdadeiros sindicalistas. Eles encaram-na como uma contaminação desonrosa. Ela não impedirá em numerosos departamentos (estados da França – NdT), contatos fraternos e ações comuns entre Coletes Amarelos e organizações sindicais, simbolizados por comunicados juntando a sigla CA às siglas sindicais.

Leia também:
A questão dos Coletes Amarelos na França
A revolta dos coletes amarelos na França
Quando apoiar uma revolta popular?


«O “todos juntos” que torna tudo possível»
As 2034 concentrações de protesto do dia 18 de novembro de 2018, em todo o território nacional (pico de atos de CAs – NdT), numa espontaneidade organizada, levantam os trabalhadores mais empobrecidos e mais oprimidos que querem «viver e não sobreviver do seu trabalho».

É, pois, absolutamente natural que a massa dos Coletes Amarelos se aproxime dos seus semelhantes nas classes exploradas. E, desde então, nos locais de trabalho, os empregados e os sindicalizados perguntam ao seu delegado sindical:“Espero que você seja favorável aos Coletes Amarelos!?” O estandarte erguido da revolta geral contra a miséria, a injustiça e a opressão – que rompe radicalmente com o ritual das “jornadas de luta” sem futuro, as quais ninguém mais teme, suscita um interesse apaixonado.

Em referência direta à mobilização contra as leis do governo do PS, a Assembleia das Assembleias de Coletes Amarelos na localidade de Saint Nazaire (Nantes, abril de 2019), chama a «construir coletivamente este famoso ‘todos e todas juntos’ que gritamos, e que torna tudo possível».

Como fazer triunfar a vontade majoritária, as reivindicações vitais, através da «greve massiva», «criando comissões nos locais de trabalho para que esta greve seja construída a partir da base pelos próprios grevistas» (Assembleia das Assembleias na localidade de Commercy, Janeiro de 2019)? Como “superar os obstáculos à unidade e bloquear o país, a fim de fazer o governo ceder acabar com Macron e este Sistema» (texto de convergência votado na Assembleia das Assembleias da localidade de Monceau-les-Mines, Junho de 2019)?

São estes os problemas vitais da emancipação dos trabalhadores, cuja discussão atravessa todo o movimento operário. Eles geram grandes debates nos grupos de Coletes Amarelos de todas as regiões, e entre os sindicalistas “classistas”. Eles também estão no centro do intercâmbio entre os membros dos Comites Locais de Resistência e Reconquista (agrupamento de miltantes sociais e políticos apoiado pelo POI – NdT). O nosso jornal reporta, semanalnente.

Este regime tem governado exclusivamente para espoliar e escravizar a massa do povo, a maioria, em benefício de poucos da aristocracia financeira. Nove milhões de pobres é o resultado cruel desta política.

Reivindicações e democracia, direitos sociais e refundação da República, estão intimamente ligados. A solução da “imensa crise de soberania popular”(1) repousa nas classes trabalhadoras. Delas depende a salvação dos serviços públicos e da Saúde pública, sem os quais milhões de famílias modestas seriam privadas do acesso à civilização. Isto para satisfazer a ganância dos especuladores multimilionários, que o vil e velado governo do PS isentou de impostos.

O método comprovado das provocações do Estado
Sob um regime tão odiado que 440 deputados, em 2017, foram eleitos por menos de 25% dos cidadãos do seu distrito eleitoral (2), Macron, Castanere os outros não têm outro recurso, frente à imensa simpatia popular pelos Cas, senão utilizar o método comprovado de provocação.

Ele consiste, com a ajuda dos órgãos da mídia nas mãos de multimilionários, em fazer desaparecer as reivindicações legítimas sob a violência. A iniciativa da violência será, é claro, atribuída aos manifestantes, que assim se tornam puros delinquentes, atacando pessoas e bens, pilhando modestos comerciantes etc. O que vimos por muito tempo se fazer para distorcer as manifestações pacíficas de estudantes secundáristas, ou contra a Lei do Trabalho de Hollande-Macron, torna-se agora a doutrina totalitária do “sistema” de Quinta República. Castaner fala em “Coletes Amarelos radicalizados”,”que já nem sequer têm reivindicações”; e um repórter da LCI (canal de TV La Chaine Info, NdT) os chama de “enlouquecidos”; as reportagens começam pelo número de detenções preventivas (das quais conhecemos a arbitrariedade), o incêndio do dia, a “agressão” contra as forças da ordem etc. Como o monarca Macron satisfez, segundo eles, as reivindicações dos plebeus, os papagaios mediáticos e políticos do Elisée recebem a tarefa de criminalizar os “irredutíveis”.

A armadilha desta desnaturação do seu movimento, não escapa à “inteligência coletiva” dos comites e assembleias de Coletes Amarelos. Portadores de uma verdadeira democracia, a serviço da maioria do povo, porque emanam dele, e vítimas dos abusos perpetrados pelo poder, eles questionam este poder político que dá ordens de repressão, de mutilação e de prisão. As provocações violentas e o caos visam isolar as resistências, para facilitar a infame comédia das “concertações sociais”… com base no programa de Macron, o “diálogo”entre cúmplices institucionais… para salvar o sistema.

“Nós estaremos lá”
A última “ADA” (Assembleia das Assembleias) dos Coletes Amarelos, na localidade de Montceau-les-Mines, chamou, no “texto de convergência”, unânime, à “preparaçãodo novo período que se abre: cada vez que as reivindicações forem comuns, indo no sentido de acabar com a pobreza, a precariedade e a fratura social, ou para ganhar novas conquistas, estaremos lá. As formas serão variáveis. Em particular, chamamos os Coletes Amarelos imediatamente a apoiar a greve dos funcionarios das Urgências (Emergencias, ramo do sistema hospitalar nacional – NdT), através de moções, delegações, reuniões ou manifestações conjuntas. Faremos o mesmo com todos os setores em luta , de acordo com os acontecimentos atuais: professores, privatização de barragens, bancos, seguro-desemprego, nas empresas (…). Para travar a reforma da aposentadoria, estaremos na rua com os trabalhadores e suas organizações, com as populações, com o objetivo de fazer recuar o governo e obter a retirada do seu Projeto.

“Parar o Estado policial”
Que o grande chute dos CAs na ordem social e política liberou, em todo o país, a iniciativa dos trabalhadores e do povo, já se via no caráter das lutas sociais, como nas Urgências, nos professores, no ministério das Finanças. Mas uma outra bandeira de resistência foi levantada pelo Apelo das Mães e Mulheres da localidade de Mantes-la-Jolie. Elas recusam a impunidade do poder macronista, após a humilhação dos 151 secundaristas ajoelhados (sob a mira de fuzis, foto que rodou o mundo – NdT) em 6 de dezembro de 2018, à moda das ditaduras militares. Elas denunciam sucessivos governos de “esquerda ou de direita”, “em guerra” contra o povo, contra a juventude, contra “as classes subalternas”, contra “as atuais colonias francesas, tal como estão em guerra com as suas antigas colonias”; em guerra contra os migrantes, “o movimento social em geral, os Coletes Amarelos em particular, e qualquer um que se atreva a resistir aos que nos governam”.

Este magnífico panfleto vem no momento certo, para desmontar a nova perfídia presidencial – competir com o clã Le Pen para agudizar os ódios comunitaristas e racistas: “A sua guerra é anti-social, racista e imperialista. Nós, Mães das cidades, mães das crianças ajoelhados em Mantes-la-Jolie, não aceitamos mais este estado de injustiça permanente. Nós desejamos apenas uma coisa: Paz (…).Dizemos não ao Estado policial onipresente nos nossos bairros, em vez do Estado social.”

Um Estado social, restaurando todos os direitos democráticos, que se substitua ao arbitrário, injusto e violento Estado da minoria das classes dominantes; um Estado baseado na soberania do povo, agora reduzido ao estatuto de “classes subalternas”: assim se desenha, fora do “sistema” e de todos os partidos que o servem, e que vivem dele, a vontade e os objetivos do povo trabalhador.

Um povo que realizou, na sua história moderna, cinco revoluções.

(1) Coletiva de imprensa dos CA (15.12.2018), frente a Sala do Jeu de Paume, marco da Revolução Francesa de 1789.
(2) Cálculo do jornal Le Monde, em 2017; na França o voto é distrital (NdT).

© foto: Kamil Zihnioglu/AP Photo

Gostou? Comente sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: