Contra a escalada golpista, só a mobilização dos trabalhadores

Os atos pelo impeachment deste 13 de março reuniram certamente muita gente, embora, como sempre, os números tenham sido inflados pela PM e pelos meios de comunicação. É inegável, porém, que expressam um momento mais alto da escalada golpista.

Alavancados por diferentes esferas do Judiciário (“condução coercitiva” e depois pedido de prisão de Lula), pela mídia, partidos de oposição, entidades patronais, empresas e igrejas, as manifestações se alimentaram também da degradação social provocada pelo ajuste fiscal promovido pelo governo Dilma.

Um fato novo foi a ação contra organizações operárias, como a da PM paulista na subsede do Sindicato dos Metalúrgicos de

Diadema e na subsede dos Bancários de SP quinta, além dos covardes atos de vandalismo contra subsedes da CUT em Campinas e Itapeva (SP), bem como na sede paulista da UNE e do PCdoB. E devemos estar preparados para a possibilidade de novos ataques.

Estes fatos mostram claramente o caráter de classe do golpismo e suas reais motivações. O que não é percebido, ou melhor, é criminosamente deixado de lado pelos esquerdistas que objetivamente cerram fileiras com o golpe.

DAP em Porto Alegre

A resposta dos trabalhadores

Mas o dia não foi só dos golpistas. Centenas de militantes reuniram-se em frente à casa de Lula em São Bernardo, houve uma carreata anti-golpe em Fortaleza e um expressivo ato em Porto Alegre, convocado pelas organizações dos trabalhadores, além de outras manifestações em vários estados.

O Diálogo e Ação Petista participou ativamente dessas manifestações em defesa das sedes do PT e da CUT. Em Fortaleza, o cartaz do DAP (“Não vai ter golpe! Em defesa de Lula, do PT e dos direitos!”) – foi adotado por muitos na carreata.

Agora, é organizar os atos de 18 de março e a jornada do dia 31. A mobilização dos trabalhadores, com suas organizações, é a única forma de barrar o golpismo e os ataques aos nossos direitos.

O 2 Encontro Nacional do Diálogo e Ação Petista, nos dias 19 e 20, será certamente um momento importante de aglutinação de militantes de diversas origens e correntes, mas com um objetivo comum: agir como o PT agia, como ferramenta de luta e organização dos trabalhadores.

DAP Fortaleza