Jilmar Tatto 100% candidato do PT à prefeitura de SP

Em artigo ao Brasil 247, Markus Sokol afirma que “o partido não saiu dividido em dois. (…) Ideal ou não para alguém, isso é o PT. Nas nossas duas primeiras décadas cansamos de ouvir que o PT, assembleísta e dividido em tendências, não tinha futuro”. Leia abaixo.

Jilmar Tatto 100% candidato do PT à prefeitura de SP

Markus Sokol

Uma coisa boa da liberdade de imprensa é a liberdade de expressão, de certo modo ampliada pelos blogs e redes sociais. Ela leva a um debate na opinião pública (ou publicada, como já se disse), mesmo se às vezes ao preço de alguma confusão. Hoje, para enfrentar a extrema-direita autoritária no poder, esse debate livre é ainda mais precioso.

Mas o PT, desde há muito tempo, tem suas decisões e debates internos revirados na mídia, raramente simpática – as críticas às vezes são justas, às vezes equivocadas, outras vezes são apenas pontos de vista socialmente adversários, e também acontecem invencionices sem fundamento. É assim, e os petistas estão habituados desde o tempo da ditadura militar. 

Não foi diferente, agora, com uma decisão tão importante como a do PT de São Paulo, de lançar a candidatura a prefeito de Jilmar Tatto, dirigente nacional, ex-deputado e ex-secretário em administrações petistas. Houve grande repercussão na mídia, o que, além de mérito de Tatto, é também indicador do lugar único que o PT ocupa como principal partido de oposição nacional a um governo federal em crise – todos sabem que parte do futuro do país está em jogo aí.

Mas não, não houve uma decisão do PT local de cancelar uma prévia, o que, no PT, é um direito estatutário quando há disputa incontornável. 

O que houve foi uma decisão, mas do Diretório Nacional (DN), de regulamentar a disputa democrática na situação extraordinária da pandemia, atribuindo excepcionalmente a decisão aos Diretórios Municipais em todo o país. Foi assim em muitas cidades e algumas capitais onde haviam essas disputas. 

Na Capital de SP, em particular, o que houve foi uma autorização especial do DN para ampliar, sim, ampliar os participantes na tomada de decisão, de algumas dezenas de membros do Diretório Municipal para um tipo de congresso virtual com representantes dos Diretórios Zonais e dos Setoriais, num total de 615 delegados com mandato (dado no último processo de eleições diretas interno, no ano passado). Não era factível a consulta eletrônica dos filiados – estão aí as confusões nas filas da CEF e a contundente denúncia da falta de condições para a realização do ENEM por falta de meios. Na ampla base de mais de 100 mil filiados na cidade, isso levaria à uma seleção da elite em detrimento da periferia.

O vencedor nesta eleição no último dia 16, Jilmar Tatto, obteve 312 votos (51,2%), enquanto o ex-ministro Alexandre Padilha obteve 297 votos (48,3%), além de 1 abstenção, portanto, com uma diferença clara de 3% dos votos.

Mas não, o partido não saiu dividido em dois. Primeiro, objetivamente, porque Padilha reconheceu de forma imediata o resultado e se declarou em campanha por Tatto, candidato do PT. Segundo, porque, subjetivamente, não houve uma campanha opondo 2 candidatos que tivesse polarizado a base, senão que, após vários debates, nos últimos dias, dentre 7 candidatos inscritos (o PT não estava “dividido” em 7…), 4 retiraram em favor de Padilha e 1 candidata em favor de Tatto. 

Ideal ou não para alguém, isso é o PT. Nas nossas duas primeiras décadas cansamos de ouvir que o PT, assembleísta e dividido em tendências, não tinha futuro. Parte da esquerda (não só partidos da elite), tinha horror ao debate livre e entre tendências. Isso melhorou um pouco depois da queda do “muro de Berlim”, mas não está resolvido, nem na América Latina nem no mundo.

O resultado do processo de indicação de Jilmar Tatto, candidato a prefeito, é totalmente legítimo. Ele não foi decidido na mesa de um restaurante, nem num conciliábulo de iluminados dirigentes. Ele tem amplo apoio na militância petista, teve apoio de correntes internas como o CNB (Construindo um Novo Brasil), o DAP (Diálogo e Ação Petista) e o Avante, tem sustentação em muitos dos movimentos sociais mais ativos da Capital e o respaldo da esmagadora maioria dos sindicalistas cutistas.

É, portanto, um capítulo encerrado e, à luz da trajetória do PT, agora vamos unir o PT, construir uma plataforma e um arco de alianças, e partir para a disputa de eleição. 

Há quem não esteja confortável, mesmo se a eleição é em dois turnos. Não nos referimos à direita, claro, nem ao PSOL que terá seu próprio processo de escolha de candidato para o primeiro turno. Nos referimos a quem queria que o PT apoiasse um não-petista “para derrotar a extrema-direita” – como havia quem achasse que devíamos apoiar Ciro Gomes (PDT) e não lançar Lula, e depois Haddad para presidente obtendo 47 milhões de votos. Nos referimos também aos adeptos de uma “frente ampla” com PDT, PSB, PCdoB, PSOL e outros, onde o PT ofereceria a cabeça a terceiros, mesmo sendo o maior partido, inclusive em SP.

Mas o realismo mostra que especificamente com o PSB de Márcio França em São Paulo, nem querendo haveria frente ou candidatura comum, “campo progressista” etc. – ele é adepto, como os golpistas Dória e Covas, das principais contra-reformas de Bolsonaro, divide com eles a responsabilidade por desmantelar a Saúde Pública, e assim por diante.

Há, ainda, comentaristas muito assertivos na acusação à esquerda que indicou Tatto por “não levar em conta o quão complexo é enfrentar e derrotar o fascismo”, propondo “fazer um grande encontro dos partidos políticos progressistas para discutir uma frente ampla”. Essa construção merece dois reparos: 

  • o leitor pode não saber, mas a maior parte dos candidatos derrotados em SP já defenderam um tipo de “eleição primária” (uma previa com não-filiados ao PT). Mas essa tese foi largamente rejeitada num congresso presencial de delegados, que recusou dissolver a independência do PT, cuja militância não quer carregar o que outros “progressistas” decidem. É difícil imaginar como agora, partidos com influência tão díspar na cidade, tirariam um candidato comum numa frente, se não por meio de uma negociação por cima dos militantes.
  • sim, é “complexo” derrotar o fascismo. Não sabemos quantos fascismos o comentarista já derrotou. Mas há duas dificuldades bem conhecidas, exemplos históricos extremos a levar em conta: a) fazer do aliado potencial, socialista ou comunista, o “inimigo principal”, levando à divisão e à derrota (é o caso clássico da ascensão de Hitler na Alemanha); b) correr atrás de uma inexistente burguesia “progressista” ou “democrática”, de costas para o povo desmoralizado, enquanto a extrema-direita avança (caso da Frente Ampla do PCB com golpistas como Carlos Lacerda, depois do golpe de estado de 1964 no Brasil). 

Mas ainda estamos no começo do começo das eleições municipais, cuja data não está definitivamente fixada. As maiores turbulências estão à nossa frente, não às costas. 

À medida que o país se afunde na crise sanitária, o que parece o mais provável devido à prévia desestruturação dos serviços públicos, Bolsonaro vai seguir utilizando a ameaça do caos para fidelizar os generais que estão com ele, e se fazer apoiar pelos grandes empresários que não querem fazer marola, enquanto seus lucros estiverem garantidos.

É verdade, as pressões sobre o PT vão aumentar. 

Mas com unidade e clareza do que somos e de como somos vistos, os maníacos do serviço público para o povo necessitado, é o nosso legado – sim, nós somos isso, não somos as OSs, nem as PPPs ou as privatizações, esse é mundo que faliu frente à pandemia – o PT tem as condições de polarizar, agrupar uma aliança com uma plataforma, e vencer.

Gostou? Comente sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: